Diálogo dum cão com o seu dono sobre a necessidade de morder os amigos
de Jean Piemme

Sinopse

 

Através desta parábola um tanto louca e esquisita, Jean-Marie Piemme encontra a força satírica de um teatro que revele a verdadeira natureza das lutas de poder e desmantela os mecanismos dos poderes que regulam nossas vidas diárias.

Este teatro organiza a rebelião daqueles que sofrem. Ele muda a vida e vinga-se simbolicamente. Uma vingança pelo teatro sobre as injustiças e os distúrbios do real. E, "morder alguém às vezes pode ser bom"! Desde logo, para acordar o cão adormecido em nós.
Vamos ser nadadores, para não nos afogarmos!

664716e2-93a5-44da-a76b-fc7fbcffb98f.jpg
00756f87-76db-4d14-bea3-0285d14ceea9.jpg
75264954_2593288680727516_1604135697684365312_n.jpg
79743034_2675506175839099_7857562210409644032_n.jpg
6dfb4816-89ec-42ba-94c3-76330e04e5ab.jpg
cc3f6f54-7e36-42bd-a898-b5959ea39b3f.jpg
Tradução Joana Caspurro
Cenografia e figurinos João Piteira
Encenação e desenho de luz Figueira Cid
Com Duarte Banza e Figueira Cid
Imagem do espectáculo Amanda Morais
Operação de luz e som Clara Franco
Fotografia de cena Álvaro Côrte-Real

37ª Produção | 2020